DISCORDO DA CONCORDÂNCIA

Há poucos dias a TV apresentava esta imagem.

Reparem na legenda…

Logo na 1.ª aula, fomos confrontados com esta forma incorrecta de concordância entre o sujeito e o predicado.

A regra geral diz que eles concordam em número e pessoa.

– Tu estás cansada; – elas estão cansadas…   // – O aluno estuda; – os alunos estudam.

Mas neste caso, como o sujeito contém dois nomes (dezena e habitações), um no singular e outro no plural,  pode criar dúvida e erro, como se vê.

Atenção: o primeiro nome é que é o principal (pois o segundo é um simples sintagma preposicional a clarificar o primeiro); assim, a concordância do verbo deve fazer-se com “uma dezena”:

  • EM BOM PORTUGUÊS DIZ-SE: Uma dezena de habitações ardeu no concelho de Nelas.

NOTA: Alguns linguistas aceitam a concordância com o segundo nome, quando ele ganha foros de destaque e pode iludir um pouco o leitor, como em casos como este:

“A força dos artistas e seus apoiantes apagaram quase a presença dos adversários…”

Mas as concordâncias têm muito que se lhes diga. Para brincar um pouco, que resposta vocês dão aos seguintes casos?

Analisados na aula todos os casos propostos, ficaram como correctas as respostas a vermelho:

Viva os bons alunos!

Vivam os bons alunos!

Tu és um dos que foi ao jogo?

Tu és um dos que foram ao jogo?

Um grande número de pessoas aclamou o Presidente.

Um grande número de pessoas aclamaram o Presidente.

A maior parte dos meus alunos completaram o teste.

A maior parte dos meus alunos completou o teste.   

Grande parte dos peixes escaparam…

Grande parte dos peixes escapou…

50% dos concorrentes chumbou.

50% dos concorrentes chumbaram.

Era meio-dia quando aquele grupo de jovens chegaram ao sítio onde o Luís o/os esperava.

Era meio-dia quando aquele grupo de jovens chegou ao sítio onde o Luís o/os esperava.

NOTA: No último caso, aceitamos as duas respostas da segunda frase (o/os), por se tratar de uma outra frase.

Um comentário em “DISCORDO DA CONCORDÂNCIA”

  1. Caro António
    Eu, na frase ” a força dos artistas”. poria o verbo na terceira pessoa do singular ” apagou” porque me parece que, como dizes, contradiz a regra gramatical.
    Outra: ” 50% chumbaram …” . Eu seguiria a regra, isto é, se só começasse por “50” levaria o verbo para o plural, uma vez que, sendo um número, só o “um” pede o singular.
    Assim, como tem por apêndice “por cento” deixa de ser um número para ser uma designação. Poria, portanto, “chumbou”. Deixo à tua douta análise. Um abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.