Na senda de José Saramago

Mais um texto de aluna da Unisseixal que publico com gosto. Para além da sua qualidade literária, este trabalho apela à leitura e à descoberta dos espaços onde o José Saramago colocou as cenas do seu livro. É ainda um apelo ao encontro na Unisseixal, onde nossa vida pode sentir novidade. A. Henriques
Viagem com roteiro literário
Há sempre uma primeira vez…Dia 10 de outubro foi a primeira vez que fiz uma viagem com um roteiro literário. Uma boa surpresa! Até porque a obra que deu origem a este percurso também me encanta. Nada mais do que seguir os caminhos que José Saramago percorreu para construir a excelente narrativa que se chama “Levantado do Chão”.
Publicado em 1980, “Levantado do Chão” acompanha a vida de três gerações de uma família de camponeses sem terra, os Mau-Tempo. Um retrato social do Alentejo rural no séc. XX, onde as condições de trabalho que se faziam viver na época se defrontam com a luta por um futuro mais digno, mais justo e menos pobre.
“Levantado do Chão” é considerado um livro determinante na obra José Saramago, pois usa um estilo literário que caracteriza as narrativas deste escritor, que também usa as palavras com sabedoria e poesia.
Iniciámos o caminho na magnifica biblioteca de Évora e percorremos lugares relacionados com o romance de José Saramago -  Montemor-o-Novo, Évora, Santiago do Escoural e São Cristóvão. Não chegou o dia para mais e São Geraldo, Ciborro e Lavre ficaram para outra visita. Este percurso segue um guia composto por mapas, fotos, informações de referência e factos históricos, de um Roteiro que interliga os concelhos de Lisboa, Montemor-o-Novo e Évora, através de uma rede composta por 3 percursos temáticos.
Deveras interessante. Os trechos da obra, lidos no local a que se referem, situam-nos no cenário verdadeiro e dão a visão do que por lá se passava nos tempos que não são tão distantes assim… Este livro descreve com verdade o que foi a vida do povo alentejano até 1974.
O Nuno e a Joana foram excelentes guias durante todo o percurso.
A escrita é densa, mas a viagem que nos permite fazer é altamente rica de vivências sofridas, mas também de resistência.
Foi um dia que ficará na memória…o Alentejo é uma paixão e as iguarias que nos serviram em S. Cristóvão há muito que as não saboreava…um desfile gastronómico de excelência, onde não faltou a sopa de cação, o ensopado de borrego, a vitela no tacho com couve lombarda, as bochechas com migas de alho e até um aperitivo de “coelho à S. Cristóvão” que sabia a perdiz de escabeche. Os doces variados completaram a ementa. Tudo TOP!
Obrigada à Unisseixal que reúne pessoas maravilhosas que oferecem o seu tempo e o seu saber. Obrigada também à professora Almerinda e à Idália da Fundação, que tornaram possível esta rica experiência.
Assim a vida sabe a “vale-a-pena “…
M.ª Sebastiana Romana

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.